domingo, 19 de fevereiro de 2017

É foda! É foda mesmo!




Nem todas as pessoas se dão o trabalho de escrever e divulgar suas histórias. Isso é uma pena, pois muita gente tem experiências pra lá de exóticas, diferentes, excitantes ou no mínimo engraçadas para serem divididas com o grande público.
Fato é que a maioria dessas histórias acaba morrendo com a pessoa. Ainda mais quando o assunto envolve sigilo e intimidade do casal. As pessoas vivem essas histórias, mas morrem de medo que elas caiam na “boca do povo”.
Como eu e minha esposa somos um casal adepto a sentar em barzinho e conversar por pelo menos um encontro exclusivo para esse fim, acabamos colecionando uma infindável quantidade de historias que nos são contadas nesses encontros.
Por óbvio, não podemos forçar ninguém a fazer um blog e sair contando tudo o que viveu, por mais que sejamos fãs de carteirinha de muitos desses casais tão sigilosos. Nesse sentido, não nos resta muita coisa, além de torcer pra que um dia essas pessoas resolvam fazer como a gente... chutar o balde e publicar mesmo suas experiências e opiniões.
Mantendo o total respeito ao sigilo e à intimidade do que nos é confessado nas mesas dos bares, resolvemos ceder a tentação de publicar ao menos essa história que, no nosso entender, foi digna de um post. Ela nos foi contata pelo próprio casal, com inenarráveis caras e bocas que infelizmente não teremos o mesmo talento para descrever..
Por motivos óbvios, não citaremos nomes, e em hipótese alguma revelaremos a fonte dessa história. Mas, precisamos escrevê-la porque ela merece ser compartilhada. Mesmo assim, se os protagonistas estiverem lendo esse material e se sentirem ofendidos ou prejudicados em qualquer forma, não hesitem em solicitar a remoção desse post, o qual será prontamente atendido.
Aliás, se os protagonistas dessas histórias, de quem perdemos o contato, estiverem lendo aqui esse material, queremos deixar registrado nossa profunda admiração e dizer que nunca esquecemos a noite super agradável que tivemos trocando confidências no barzinho. Vocês são nota 10. Saudades.
Pois bem, o marido desse casal (vamos chama-lo de Jack) assim como eu adora filmar e fotografar a esposa com outros homens. Só que ele está num nível de “profissionalismo” bem mais avançado.
Então, em contato virtual, ele havia deixado combinado com um comedor (que chamaremos de Bud) um encontro a tarde em sua própria casa. Na véspera do encontro, Jack já estava ansioso e começou com os preparativos.
Primeiro, pagou pra sua esposa (que chamaremos de Suzan) uma ida ao salão e a depilação. Em seguida, organizou a bagunça que estava em casa. Por fim, foi ao mercado comprar bebida, aperitivos, e a farmácia comprar lubrificante, preservativo... nada poderia faltar.
No dia seguinte, após confirmação do encontro feita pelo Bud, Jack ficou ainda mais eufórico. Teve o cuidado de escolher cada peça de roupa de sua bela esposa. Procurou conjugar peças que combinassem e que fossem sensuais. Escolheu perfume, vestido, calcinha e até trilha sonora.
O detalhe nessa história é que Jack é um aficionado por filmagem e fotografia. Ele possui um equipamento profissional com direito a tripé, lentes importadas... e até curso de fotografia ele já fez. Certamente que eu e você leitor que é corno, pegaria sua câmera digital na hora h sem mais delongas. Mas, Jack não era assim. Ele era um perfeccionista, purista e profundo admirador de texturas, películas, ângulos, luzes...
Usando seus conhecimentos e equipamentos, Jack foi desde cedo posicionando a câmera para obter os melhores ângulos. Por horas, Suzan pedia sua ajuda na cozinha, mas Jack estava demasiadamente entretido com a montagem de todo o equipamento fotográfico para o show que aconteceria logo mais.
Após toda essa trabalheira, Jack já suado foi finalmente tomar seu banho pra esperar a tão aguardada hora em que Bud chegaria a sua casa. Tomou um banho expresso, almoçou e ficou fazendo os últimos ajustes para que nada, absolutamente nada, saísse fora do planejado.
A hora do encontro havia chegado e Bud já estava atrasado. Suzan já franzia a testa com expressão de reprovação, quando após uns 20 minutos, a campainha tocou. Jack foi apressadamente abrir a porta e se certificou de que Bud havia chegado.
Sem dúvida que foi um momento de grande adrenalina para todos. Era chegado o momento tão aguardado. Bud se desculpou pelo pequeno atraso e todos sentaram em seus lugares na sala, onde o som já estava tocando a trilha sonora escolhida pelo marido.
O clima foi ficando quente... aos poucos Suzan foi deixando aparecer as pernas por entre o decote da saia e Bud foi se aproximando entre um assunto e outro e colocando a mão sobre as pernas dela na frente de Jack que não piscava os olhos.
A medida em que Bud ia aumentando suas investidas contra Suzan, Jack rapidamente levantou-se e se posicionou para pegar o melhor ângulo da câmera. Em poucos minutos, Bud já estava agarrando Suzan, que sem calcinha já recebia sexo oral do amante.
Por mais que Jack se excitasse com aquela cena, o que ele não via a hora era de registrar a esposa levando estocadas forte do amante. Foi para registrar a transa propriamente dita que ele levou tanto tempo organizando as coisas.
Tudo caminhava bem, até que Bud não aguentando mais de tanto tesão, jogou Suzan com a cabeça pro travesseiro do sofá, levantou o vestido, colocou a camisinha e foi meter com força de quatro naquela linda mulher .
Jack, com seu pau já endurecido pelo que via, não tinha tempo a perder, e foi ajustando o close da câmera para não perder um único movimento da transa de sua esposa. Mas, antes que pudesse completar o primeiro minuto de filme, eis que ele ouviu um estranho gemido do amante:
“ – Hummmmmmmmmm”
Jack e Suzan se entreolharam com desconfiança. Teria sido o que eles estavam imaginando? Bud havia prolongando um pouco além do trivial aquele gemido que soava amplamente naquela sala.
Logo em seguida, Bud caiu pra trás em êxtase.
“ – Ahhhh... que delícia!!!”
Jack e Suzan não estavam acreditando. O filho da puta do Bud havia gozado em pouco mais de 30 segundos de transa. Foram horas e horas de preparação do casal para render aqueles míseros 30 segundos.
Jack ficou estático em frente a câmera como se não acreditasse. Suzan já estava se refazendo daquela pseudo cópula, irritada com a falta de controle do amante... mas, também com um pequeno ímpeto de gargalhar na cara do marido, que havia tanto se dedicado aquele rito.
Bud e o casal se despediram e Jack foi de volta para a desmontagem de todo o aparato fotográfico, luzes, tripé, lentes que havia instalado horas antes.Teria mais algumas horas de trabalho duro pela frente pra desfazer todo aquele preparo.
Pois é, isso está suscetível de acontecer com qualquer um. Mas, essa foi a história desse casal maravilhoso que tanto nos fez gargalhar com seus relatos maravilhosos na mesa de um bar. Considerem essa nossa homenagem a vocês. Continuem sendo esse casal nota 10 que conhecemos. Abraços a todos, espero que tenham gostado.




quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Esposa pegadora.



Foram 10 anos de casamento em que minha esposa vem pegando homens fora do casamento pra se satisfazer sexualmente de forma plena. Não que eu mande muito mal na cama (pra ser honesto não sou realmente um grande comedor), mas o fato é que ela adora variar de homem.
Por outro lado, dizendo isso, pode parecer que ela é promiscua e que sai com vários homens ou qualquer um. Posso garantir que é justamente o contrário. Ela é super seletiva e chega a ser chata em sua escolha. A frequência com que sai é muito baixa. E geralmente mantém uma certa exclusividade com os homens sortudos escolhidos.
Não sei se foi coincidência ou se por uma questão de disponibilidade no mercado, fato é que a maioria dos comedores que já pegaram a minha mulher são casados e saem escondidos de suas esposas. Certamente que não existe nenhum fetiche nisso, mas acabou calhando de ser assim.   
Eu, como marido Cuckold que sou, morro de orgulho em ser casado com uma mulher pegadora. Aquela mulher fatal que representa sim um perigo para as esposas casadas com maridos gostosos.
Quando digo “perigo”, quero deixar claro que minha esposa não representa nenhuma ameaça para dissociação do casal ou destruição de lares. O tal “perigo” a que me refiro é exclusivamente o perigo de chifre. Essas esposas já levaram muitos chifres da minha esposa.
Você pode dizer: “Você também levou chifre nesse caso!” E eu digo: “ Sim, mas eu gosto disso e fiquei sabendo. Essas esposas não.” Não temos remorso, peso na consciência ou qualquer coisa assim antes que perguntem. Se o casamento dessas pessoas não é bem resolvido, não temos nada com isso.
Minha esposa não vai deixar de pegar um marido gostoso só porque a esposa dele é careta e não quer participar ou porque o marido é careta e não quer que a esposa participe. Tanto faz... o fato é que o marido é gostoso e minha esposa quer ele. E eu a apoio.
Realmente tenho muito orgulho em ter uma esposa que apenas escolhe o macho que quer. Ela pode. Mas, por outro lado, preciso confessar que fico mesmo sendo posto de lado. Minha esposa sai, transa, pega homens realmente charmosos... tem namorado fora do casamento... e eu fico em casa me masturbando, sem pegar outra mulher e muitas vezes sem pegar nem sequer minha própria esposa.
Sim, é assim a nossa relação e eu gosto disso. Na prática, não tenho saído com nenhuma mulher. Minha esposa em teoria até me permite sair (a contragosto). Mas, eu não saio. Sendo assim, sou literalmente propriedade particular dela. É assim que tem sido e ela adora que seja assim.
Ela pega o marido das outras, mas não quer que ninguém pegue o marido dela. Eu entendo, afinal, ela já teve namorado que pensa de forma igual. Ou seja, homem que quer comer a minha esposa, mas que não gosta que outro homem pegue a esposa dele. Isso é normal pra gente... aceitamos bem essas diferenças. E não buscamos justiça no sexo. O sexo é reflexo do que é o mundo: injusto e ponto.
Sendo assim, enquanto não consigo sair com outra mulher, o que tem prevalecido é isso: eu sou propriedade exclusiva da minha mulher. Ela é minha dona e também amante do marido de outras.
Em geral, ela não fica saindo com vários homens. Ela escolhe um ou dois e se fixa. Ela prefere aprofundar intimidade, confiança... e com isso também ganha em segurança no sexo. É sempre bom evitar qualquer risco de DTS no mundo liberal.
Somos felizes assim, e percebemos a cada dia um numero crescente de pessoas que vivem relações parecidas com a nossa. É sempre muito bom poder falar livremente sobre esses assuntos e ter um feedback tão positivo. Agradecemos muito a todas as pessoas que vem expressando apoio e admiração pelo nosso estilo de vida. Obrigado a todos.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Que tipo de xoxota o brasileiro prefere?



Olá, pessoal.
Faz tempo que não posto nada. Confesso que tenho estado bastante enrolado e sem tempo. Mas, estive passando aqui no blog e resolvi dar uma “escrevidinha” rápida sobre um tema que estive refletindo esses dias.
            A polêmica da vez é a seguinte: O que vocês preferem? Xoxota depilação total ou com retângulo de pelos? Bem, uma coisa é certa, todos aqui gostam de xoxota. Talvez as leitoras femininas não se enquadrem. Se bem, que ultimamente, acho que podemos incluir até mesmo a maioria dessas leitoras como adoradoras de xoxota.

Peço perdão por estar usando um linguajar que para muitos talvez seja meio chulo. Mas, aliás, essa é outra polêmica. Já que o tema é xoxota mesmo, vamos tirar todas as duvidas de uma só vez: Afinal, como gostam de chamar a dita cuja? Péssimo, né?
Pois bem, uns chamam de “buceta”. Eu, particularmente acho o termo vulgar. Outros chamam de perereca. Aí já fico achando que é brincadeira de criança. Perereca parece coisa de menininha de 3 anos.
Eu adoro chamar de “xoxota”. E sei que tem gente que não gosta.  Vagina parece doença. Sei lá... não gosto. “Xoxota” é o que mais me deixa com tesão. E minha esposa concorda comigo. Portanto, passarei a usar “xoxota” como o termo eleito para discorrer o assunto.
Então, qual a xoxota preferida do brasileiro? Depilação zero, retângulo ou ainda um terceiro tipo que alguns gostam, que chamo de matagal. Não sabe do que estou falando? Basta lembrar da Claudia Ohana no seu antigo e clássico ensaio pra Playboy.
Para alguns pode parecer uma escolha grotesca. Mas, há muita gente que adora o estilo “matagal” da Claudia Ohana, como forma de se patrocinar a imagem da mulher selvagem, que te faz ser um animal. Há quem goste de matagal nas pernas, nas axilas, na xoxota. Assim, como também temos homens que querem ser o Tony Ramos. Enfim, gosto não se discute.
Bem, não defendo nenhuma tese peluda. Não faz o meu gênero. Mas, por outro lado, percebo uma enorme adesão a depilação total. Tanto em homens, quanto em mulheres. A cada ano, o brasileiro vem adotando mais essa prática.
Então, quero aqui defender meu ponto de vista. Respeito muito o gosto das outras pessoas, mas a verdade é que quando vejo uma linda mulher, toda sensual, lisinha, rostinho lindo e sapeca, e chega nos países baixos e não tem nada... absolutamente nada... confesso que fico sentindo falta de algo.
Aqueles pelinhos bem aparados e certinhos tem um efeito estimulador em minha cabeça. Funciona quase que uma identidade feminina. São maravilhosos de se passar a mão. Talvez também, porque haja uma incompatibilidade entre aquele mulherão e a idade natural para quem não tem nenhum pelo naquela região . Afinal, a ausência completa de pelos é bem típica em crianças. Enfim, não gosto de “perereca”. Nem no nome e nem na aparência. Gosto mesmo é de “xoxota”.
E por isso mesmo que defendo aqui meu ponto de vista com relação à depilação que deixa o retângulo, ou triângulo de pelos como remanescente. Aqueles pelinhos sagrados fazem parte de umas das coisas que mais me excita nas mulheres desde os tempos da Playboy.
Adoro passar a mão naqueles pelos enquanto amasso minha esposa. E fico de pau duro muito rápido quando vejo outro homem passando a mão justamente naqueles pelos. Uma vez, um comedor ficou esfregando o pau justamente nos tais pelos na minha esposa... confesso que gozei na mesma hora.
Os pelos em forma de retângulo são pra mim, como a bunda, a marquinha, o rostinho, os seios, as pernas, enfim, todos os elementos que mais me deixam loucos de tesão por uma mulher.
Sei também que existem homens que só gostam da tal “buceta”. A mulher pode ser um canhão, mas abriu as pernas... acabou o homem cai dentro querendo a buceta. Até invejo esses homens pois eles conseguem se excitar com facilidade.
Infelizmente, sou mais exigente. Preciso de uma mulher e não de uma buceta. Gosto da delicadeza, das curvas, das pernas sensuais, do jeito, da voz, do rostinho sapeca, do sorriso... Enfim, enquanto eu ainda estou apreciando os detalhes de uma mulher, outro cara já está de pau duro metendo na tal buceta. São as diferenças entre uma pessoa e outra. Devemos respeitar. Sou lento mesmo admito os meus defeitos.
Toda essa discussão é curiosa, porque na época em que eu enviava fotos da minha esposa quando teclava com comedores, muitas vezes, o comedor me pedia fotos da minha esposa, e eu caprichava enviando aquelas top de linha que me deixavam de pau duro só de lembrar. Ela em poses sensuais, com roupa transparente, calcinha de renda, tornozeleira, parte da marquinha aparecendo, cabelos esvoaçantes, bumbum arrebitado, fazendo brincadeira com a boca ou a língua... enfim... coisa de louco.
Aí vinha o tal mala e dizia: “- Só isso?? Manda foto da buceta. Quero ver ela toda arreganhada.” Cara, eu sentia um misto de raiva, decepção, quebra total do tesão e até um certo nojo. Que falta de sensibilidade.
Mas, tenho que aprender... as pessoas são diferentes. Cada um com seu gosto, seu credo, suas opiniões. E ainda bem que existem tantas diferenças. Cá entre nós, o mundo não seria tão sem graça se não existe toda essa diversidade de gostos e opiniões?